sábado, 31 de dezembro de 2011

Chegando mais um ano...



Lute, viva, sorria, opine, esbraveje, namore, aposte, tenha fé. Que a felicidade vem como consequência e não como um objetivo.

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Jogo Rápido: LULA x FHC




ULTIMO ANO DO FHC
TAXA SELIC EM 2002 - 25%
INFLAÇÃO EM 2002 - 12,5 %
PIB2002 - R$ 1,32 TRI
PESSOAS QUE ENTRARAM NA CLASSE MEDIA - 1 (PAULO BLACK)

ULTIMO ANO DO LU/LA
TAXA SELIC EM2010 - 10,66%
INFLAÇÃO EM 2010 - 5,91%
PIB2010 - R$ 3,22 TRI
PESSOAS QUE ENTRARAM NA CLASSE MEDIA - 36 MILHÕES

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Brasil ultrapassa Reino Unido e agora é 6ª maior economia do mundo, segundo jornais britânicos


Do portal R7 ( Dica do poeta: Uma ótima fonte de notícias)
  
A economia brasileira superou a soma das riquezas do Reino Unido e agora aparece na sexta colocação mundial, segundo reportagens publicadas nesta segunda-feira (26) pelos jornais britânicos Daily Mail e The Guardian.
As informações fazem parte de um estudo da consultoria britânica CEBR (Centro de Economia e Pesquisa em Negócios, na sigla em inglês).
Esta é a primeira vez que o país europeu aparece atrás de uma nação sul-americana no ranking de riquezas, que considera o PIB (Produto Interno Bruto) – a soma das divisas produzidas por uma nação.
O principal motivo para a ultrapassagem foi a redução das atividades econômicas no Reino Unido, que foi afetado fortemente pela crise econômica mundial de 2008, e a recessão que veio em seguida e atingiu praticamente todas as economias capitalistas.
Ao mesmo tempo, o Brasil se beneficiou com o aumento das vendas (exportações) de matérias-primas básicas para a China – como o minério de ferro, por exemplo.
Os cinco primeiros lugares do ranking mundial são ocupados por China, Japão, Alemanha, França e Estados Unidos.
Peter Slowe, ex-conselheiro de política econômica do governo britânico, afirmou ao Daily Mail que “o poder de penetração do Brasil como um todo ultrapassou o Reino Unido por causa do grande potencial econômico das famílias que vivem no país”.
- O Brasil tem uma variedade de recursos naturais, incluindo ouro e prata, além de jazidas de petróleo em alto-mar e dos minerais da Amazônia.
Mantega prevê PIB em 3,5% este ano
O chefe executivo da consultoria que fez o estudo, Douglas McWilliams, disse ao The Guardian que “o Brasil ganhou várias vezes dos países europeus no futebol, mas [o Reino Unido] perder na economia é um fenômeno novo”.

Na última quinta-feira (22), o ministro da Fazenda, Guido Mantega, admitiu o impacto negativo da crise econômica na economia brasileira, mas estimou um crescimento entre 3% e 3,5% para o PIB este ano.
Mantega destacou que espera uma queda nos juros, uma taxa de câmbio mais favorável e a inflação na casa de 4,7% no próximo ano.

Pitaco: Quem diria que após 9 anos de governo petista, o Brasil apresentaria um crescimento contínuo, robusto e com distribuição de renda.

sábado, 24 de dezembro de 2011

O Brasil que dá certo


Salário mínimo será de R$ 622 em janeiro

A presidente Dilma Rousseff assinou nesta sexta-feira (23) o decreto que prevê salário mínimo de R$ 622 a partir de janeiro de 2012. A decisão deve ser publicada no “Diário Oficial da União” no início da próxima semana.
Desde o segundo mandato do presidente Lula, os reajustes anuais do mínimo têm seguido uma fórmula que combina o INPC acumulado desde o aumento anterior e o crescimento da economia do ano retrasado.

Pela legislação em vigor, o arredondamento dos valores deve ser sempre para cima.

De acordo com lei publicada no início do ano, que também estabeleceu o piso salarial brasileiro em R$ 545, essa metodologia será seguida pelo menos até 2015.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Eleições em Curitiba: Todos querem a capital.


Uma nova pesquisa sobre a corrida eleitoral em Curitiba acabou de ser divulgada. A consulta da Paraná Pesquisa (realizada entre 04 e 08 de dezembro) mostra um cenário bastante equilibrado. Tudo indica que se as eleições fossem hoje, certamente teríamos um segundo turno.

Como estudei Ciência política na UFPR, posso afirmar que a eleição de 2012 será a mais disputada desde 2000. Pois, pela primeira vez, o candidato da Situação, Luciano Ducci não mostra o favoritismo que Beto Richa alcançou em 2004 e 2008. Ainda esta pesquisa trabalha com o PT tendo candidato próprio. Porém alguns setores tencionam em apoiar Gustavo Fruet do PDT. Mas essa definição só saíra em maio de 2012, durante as prévias do PT.

Confiram os números:

Gustavo Fruet (PDT): 26,7%
Ratinho Júnior (PSC): 26,3%
Luciano Ducci (PSB): 21,5%
Rafael Greca (PMDB): 21,3%
Tadeu Veneri (PT): 2,8%
Renata Bueno (PPS): 2,5%
Não sabe: 6,6%
Nenhum: 6,3%

domingo, 18 de dezembro de 2011

Paranismo: Você sabe o que é?


Se você  não for paranista, vai ter que concordar com às 20, 30 mil pessoas que estavam hoje na rua XV.  Simplesmente eles não entendiam porque um grupo bastante numeroso de torcedores se reuniu no ponto mais central de Curitiba para exaltar o Paraná Clube.
Aos poucos, a torcida tricolor foi chegando, se concentrando em frente à Praça General Osório ( Ponto Central de Curitiba, perto da Boca Maldita na AV Luiz Xavier). Eu observava os não paranistas, estes se perguntavam: Mas o que estão fazendo? Será algum protesto, passeata? Alguns não aguentaram e vieram me perguntar, inclusive dois guardas municipais.
Parti para a explicação. Falei que em todos os anos, no sábado antes do aniversário do Paraná Clube (19/12/1989) a torcida se reúne na Rua XV e faz uma caminhada até a Vila Capanema exaltando o seu amor pelo time.
O mais legal da Avalanche ( Que já é tradição em Curitiba, essa é a 4° edição) é ver a perplexidade no rosto de quem observa, seja na rua, nas casas, nas lojas e nos carros. O que estariam eles pensando? Porque essa torcida faz isso? O time não ganha mais nada? O time foi rebaixado no estadual? O time não tem torcida?
Mais é aí que os não paranistas se enganam. Não torcemos pelo tricolor por seu um time de moda, por  ser um supercampeão. Torcemos pelo tricolor do Paraná, porque amamos este time, amamos ele acima de tudo e de todos. A pessoa não escolhe ser paranista. O destino faz com que ela conheça o Paraná Clube e daí, a paixão torna se  irresistível.
Já quando estávamos chegando perto da Vila Capanema, observei que o Presidente Rubens Bolhen já esperava a torcida, Ele estava acompanhado do vice-presidente Financeiro, Celso Bittencourt. Me aproximei do presidente e vi sua emoção forte ao ver o povo paranista. E não tem como ficar indiferente ao amor que a torcida tem por este time, sejam paranistas, pedestres, observadores e até mesmo a gente que vive e sofre pelo tricolor.
E após a Avalanche, alguns torcedores ficaram conversando com o Presidente Rubens e o Celso. Foi uma conversa agradável, vários pontos foram esclarecidos. É claro que eles não prometeram nada. Mas nos mostraram que o trabalho está sendo bem feito. Ao me despedir, dei saudações Boca Negra. O presidente ficou novamente  emocionado. Isso foi motivo para mais um papinho. O presidente Rubens e o Celso se lamentaram do Paraná Clube ter perdido e ignorado essa marca. Que era muito forte.
Tenho a certeza, que daqui para frente o tricolor será diferente. Pois, nas veias do Presidente Rubens Bolhen circula o sangue Boca negra. Que 2012 seja melhor para o Paraná Clube.

sábado, 17 de dezembro de 2011

Espiada na Câmara Municipal de Curitiba

Eleitores Curitibanos
Confiram entre nossos 38 vereadores, quantos votaram a favor do aumento do próprio salário.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Hitler manda censurar Privataria tucana


É o que a imprensa e direita estão fazendo. Eles censuram o livro. Uma atitude digna dos regimes totalitários. Todos devem ler o Livro A Privataria Tucana, do premiado jornalista Amaury Ribeiro Jr



Por que a imprensa finge que não vê o livro do Amaury?



Deve ser possível contar nos dedos quantos amigos José Serra tem nas redações. Quase ninguém na mídia é “serrista”. Não nas redações dos jornais, das tevês e das rádios. Há exceções claro, e pelo que soube esta semana o editor-chefe de um grande jornal teria trabalhado para Serra, mas isto não significa que ele tenha pelo ex-chefe profunda admiração. Serra também não deve ter muitos amigos entre os acionistas das empresas de comunicação. Serra sempre foi apenas uma alternativa possível da imprensa a Fernando Henrique Cardoso para enfrentar Lula e, depois, a candidata de Lula.
Quem finge gostar de Serra nas redações, excetuando os amigos do peito, caso ele os tenha, na verdade não gosta mesmo de Serra – apenas o prefere a Lula. Jornalista que apoia Serra – de novo com as exceções possíveis – o faz por não gostar de Lula, e não gosta de Lula por vários motivos, razoáveis ou não: preconceito, antagonismo político, por considerá-lo populista, por conservadorismo, preferência clara por FHC etc. A imprensa protege Serra por falta de coisa melhor. Fará o mesmo com Aécio Neves, caso ele vire candidato, por motivo idêntico.
Não corre risco de perder quem apostar que Ricardo Noblat não tem qualquer identificação com Serra. Não seria estranho descobrir que Eliane Cantanhêde, Dora Kramer, Lúcia Hipólito e tantos outros, mesmo que queiram no poder alguém que considerem melhor que Lula e Dilma, e certamente querem, ficariam satisfeitos se a opção não fosse Serra nem Aécio. Especulo sobre a vontade destes poucos jornalistas, todos muito conhecidos, mas poderia estar falando da maioria. Cito-os porque estão entre os mais citados.
Serra não é diferente da maioria das fontes: detesta jornalista. Também não gosta de dono de jornal, mas os adula e quase sempre obtém deles o que precisa. Serra gostaria de demitir qualquer jornalista que fizesse matéria negativa para a imagem dele, e é possível que já tenha conseguido isso, embora não seja provável que tenha sido bem sucedido na maioria das tentativas. Hoje em dia, isto não é tão fácil como já foi.
E é aqui que trago ao assunto o livro A privataria tucana, sobre o qual a imprensa tradicional faz pesado silêncio.
Decididamente, os colunistas e os editores, pelo menos a maioria, não estão fingindo ignorar o livro de Amaury Ribeiro Jr para proteger Serra. Suspeito que até que alguns achariam divertido ver Serra em maus lençóis, tendo que se explicar sobre as acusações que sofre no livro.
Também não creio realmente que colunistas e editores desprezem o livro porque acreditam que Amaury foi contratado por assessores da campanha petista no ano passado para espionar Serra ou vender informações contra os tucanos. Todos eles sabem que esta foi uma, e apenas uma, das mentiras inventadas durante a campanha.
Este foi um dos fatos “esquentados” na campanha para beneficiar a oposição. Para os jornais e para as emissoras que dedicaram enorme espaço e tempo a este factóide fica muito difícil, agora, admitir que “não foi bem assim”. Como seria difícil, mesmo agora, noticiar que a agenda de Lina Vieira jamais apareceu e que Rubnei Quicoli já confessou que mentiu. Como foi difícil admitir com clareza que a ficha policial atribuída a Dilma era uma montagem mal feita.
Isto seria mais do que um “erramos”. Seria um “mentimos”.
Os jornalistas também sabem que, mesmo sendo meio falastrão e parecendo um tanto estabanado, Amaury é um grande repórter, é honesto e não está mentindo ou, para ser mais isento, pelo menos acredita que está contando a verdade. Sabem, por fim, que a origem desta história que resultou num livro está na reação de Aécio Neves a uma ação mafiosa típica dos serristas.
Por que, então, os colunistas, editores e jornalistas da maioria dos grandes veículos fingem ignorar o livro?
Porque obedecem à linha editorial dos jornais e das emissoras em que trabalham. Obedecem, agora, e sempre obedeceram. (E aqui, em nome da isenção, acrescento a parte que me toca: eu mesmo, quando trabalhei nas grandes redações, me sujeitei à linha editorial dos veículos e se eventualmente me insurgia internamente contra elas, tentando modificá-las, nunca deixei de segui-las disciplinadamente, uma vez derrotado em minhas posições. Ou pedia o meu boné.)
O que mudou, então? Por que os jornalistas se vêem obrigados a depreciar publicamente um colega de profissão, como o Amaury, com quem, aliás, muitos deles conviveram amistosamente? E por que estamos vendo jornalistas importantes entrando em guerra com seus leitores por causa de um livro que, se pudessem, tratariam como notícia ou comentariam?
Arrisco uma resposta: porque hoje os leitores pisam nos calos destes jornalistas, o que há uma década atrás – ou menos – não acontecia.
No meu tempo, e vale dizer também no tempo do Noblat, da Dora, da Eliane, do Merval, o leitor não existia como figura real. Era um anônimo, mal representado, diariamente, em uma dúzia de cartas previamente selecionadas para publicação e devidamente “corrigidas” em seus excessos de linguagem. Tem gente que não lembra, porque começou a ler jornal depois, mas naquele tempo nem e-mail existia, exceto, talvez, como forma de comunicação interna das empresas.
Noblat, Dora, Merval, Eliane  (e eu) escreviam, editavam e publicavam o que queriam, desde que não contrariassem os acionistas, representados pelos diretores de redação. Por acaso, dois dos citados foram diretores de redação e eu fui editor-chefe adjunto no Globo e editor-chefe do JN. Não eram – não éramos – contestados por ninguém. Quem não gostasse que se queixasse ao bispo, ao editor de cartas – por carta, claro – ou então que suspendesse a assinatura ou mudasse de canal.
Publicavam o que queriam, autorizados pelos donos, e continuam agindo da mesma maneira, mas hoje são imediatamente incomodados, cobrados, questionados, xingados pelos leitores, por e-mail, em blogs, por tuites e por caneladas no Facebook.
Fazem a mesma coisa – obedecer à linha dos seus jornais – só que agora têm que dar explicações a um grupo crescente de chatos, nem sempre bem educados, e não podem botar a culpa no patrão. Não podem dizer notwitter: “Olha, gente, eu não vou escrever sobre o livro do Amaury porque o meu jornal decidiu ignorá-lo, pelo menos por enquanto”.
Aparentemente, só existe uma opção: justificar a censura do livro nos seus veículos por meio da depreciação do autor, que está sendo chamado de louco e de venal – o que ele nunca foi, nem quando era um deles, época em todos o exaltavam como um dos maiores repórteres do país. Mesmo porque o ex-PM João Dias, o escroque Rubnei Quicoli e até Pedro Collor nunca foram tratados como cidadãos de reputação ilibada e nem por isso deixaram de ser considerados fontes válidas por estes e por quase todos os demais jornalistas. E estas fontes nem se deram ao trabalho de tentar provar o que diziam.
A alternativa a declarar-se censurado ou tolhido é entrar em guerra com uma parte dos leitores, buscando apoio em outra parte, neste caso naquela que detesta Lula, Dilma e o governo petista. Cobrados, reagem no mesmo tom. Acossados, pedem ajuda ao “outro lado”.
O autor deste texto trabalhou em pequenos e em grandes veículos. Também trabalhou como assessor de imprensa de empresários e de políticos, de vários matizes. É o que faz agora, como redator, razão pela qual fechou temporariamente o blog que mantinha para emitir opiniões. Entende que assessoria de imprensa, ainda que seja um trabalho digno e necessário, não é jornalismo, porque não lhe dá o direito à isenção. Continua analisando a imprensa, como cidadão, de maneira não-metódica, mas toma o cuidado de não depreciar pessoalmente aqueles que eventualmente critica. Não se julga melhor do que ninguém, nem sabe, francamente, como agiria hoje, na mesma situação dos colunistas e jornalistas dos grandes veículos – exceto que, talvez, evitasse o twitter e o Facebook, onde o confronto é muito mais agressivo.
Mas aos que alegam que é preciso ignorar o livro do Amaury porque ele foi acusado disso ou daquilo e não seria um autor confiável, responde com uma experiência pessoal. Editor do Globo em 1992, uma noite recebeu na redação o livro Passando a limpo, a Trajetória de um Farsante, de autoria de, vejam só, Dora Kramer e Pedro Collor de Mello. O livro trazia acusações tão pesadas contra Fernando Collor que, em alguns casos, a prova dependeria de exame de corpo de delito. O editor teve que ler o livro em duas horas, para escrever uma resenha rápida, que seria publicada na edição do dia seguinte.
Naquela época, no Globo e, creio, nos demais jornais, não era possível ignorar uma peça de acusação tão enfática, ainda que desprovida de provas. Nem era possível guardar para ler depois. E pouco importava se a origem das acusações de Pedro contra Fernando era uma briga entre irmãos envolvendo até mulher. Era notícia, e pronto.

Mário Marona é jornalista.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Próxima capa da Veja...


Santa Paciência: Deputados chiaram com a suspensão do 14°e 15° salários


Nesta quarta feira, 14 de dezembro, os deputados criticaram muito o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná. Valdir Rossoni (DEM) foi duramente criticado por ter suspendido o pagamento do 14° e 15° salários. Os seus colegas alegam que ele não poderia ter tomado a atitude sem consultar os outros deputados. Porque não? Pois trata se uma atitude vergonhosa para a já desgastada imagem da ALEP.

Será que os deputados estão contando com a falta de memória do povo? Porque as próximas eleições para deputados ocorrerão somente em 2014. Mas o povo não tem memória curta não. Ainda mais agora, que as opiniões e notícias transitam muito fácil e rapidamente nas redes sociais.

Caros senhores deputados. As maracutaias, as negociatas e os escândalos por conta da corrupção, agora ficam arquivados nos computadores. E com certeza serão usados nas próximas eleições.
Quero parabenizar o Deputado Estadual Tadeu Veneri por ter denunciado esta injusta prática que já acontecia há 16 anos. O presentinho custava 2,1 milhões para o Estado. Os cofres agradecem.

Olha o Tucanato



Ou melhor, os Tucanalhas...

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Indicação de Livro.


Prepare-se, leitor, porque este, infelizmente, não é um livro qualquer. A PRIVATARIA TUCANA nos traz, de maneira chocante e até decepcionante, a dura realidade dos bastidores da política e do empresariado brasileiro, em conluio para roubar dinheiro público. Faz uma denúncia vigorosa do que foi a chamada Era das Privatizações, instaurada pelo governo de Fernando Henrique Cardoso e por seu então Ministro do Planejamento, 
José Serra. Nomes imprevistos, até agora blindados pela aura da honestidade, surgirão manchados pela imprevista descoberta de seus malfeitos.
Amaury Ribeiro Jr. faz um trabalho investigativo que começa de maneira assustadora, quando leva um tiro ao fazer reportagem sobre o narcotráfico e assassinato de adolescentes, na periferia de Brasília. Depois do trauma sofrido, refugia-se em Minas e começa a investigar uma rede de espionagem estimulada pelo ex-governador paulista José Serra, para desacreditar seu rival no PSDB, o ex-governador mineiro Aécio Neves. Ao puxar o fio da meada, mergulha num novelo de proporções espantosas.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Assembleia Legislativa do Paraná: Quanta Despesa!



Neste fim de ano, em que a maioria dos trabalhadores receberá o 13° salário em duas partes, os nobres deputados do Paraná receberão o 13°, 14° e 15° salários. O décimo terceiro, eles já receberam. Já o décimo quarto saíra na próxima semana. Que também é a última expediente. Já o décimo quinto será pago na volta das férias, na primeira semana de fevereiro. E essas férias? Quanto custará esse recesso aos cofres do Estado? Um período de descanso de 1 mês e meio, sendo um trabalhador cumpre o expediente por 12 meses, todos  os dias e consegue no máximo 30 dias de férias.
Essa prática dos “salários” já existe há quase 20 anos. Porém só agora que ela vazou na imprensa. Ela era secreta. Será que estes “salários” estavam nos diários secretos? Com a palavra, os nobres deputados.

Foto: Jornal Água Verde

Câncer do Presidente Lula recua


Os pedidos de milhões de brasileiros estão sendo atendidos. O câncer que acomete a laringe do Presidente Lula recuou 75%. Isso somente com o tratamento de quimioterapia. Mas todos sabem que não é só o tratamento médico que está curando Lula. Com certeza, os pedidos de orações de milhões de pessoas que rezam e torcem por ele. Com essa redução do tumor, os médicos já descartam a cirurgia. Que bom. Pois todos sabem que o presidente merece todo carinho a apoio recebido. E com certeza, ele saíra da doença ainda mais forte. Continue lutando Lula. Deus e os brasileiros estão com você.

Foto: Instituto LuLa

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Convocação para galera paranista comparecer na Avalanche tricolor



Com a palavra: TFI
Torcida convoca todos seus integrantes para a Avalanche e anuncia promoções nos materias
“A Torcida Fúria Independente convida todos os seus integrantes e todos os Paranistas a comparecerem a 4ª Edição da Avalanche Tricolor. Traga seus amigos e sua família e nos ajude a colorir o centro de vermelho, azul e branco na comemoração do 22º Aniversário do nosso amado Paraná Clube! Bote sua camisa, traga sua bandeira e mostre que seu amor não tem limites!
Cronograma da Avalanche 2011:

Local: Boca Maldita, centro de Curitiba
Concentração: 10h30 da manhã
Saída: 11h00 da manhã
Trajeto: Caminhada pela XV de Novembro até a Vila Capanema.
Chegada: Na sede da T.F.I

CONVIDAMOS TAMBÉM A PARTICIPAREM DO JANTAR DE CONFRATERNIZAÇÃO DO 22º ANIVERSÁRIO DO PARANÁ CLUBE, QUE SERÁ REALIZADO PELA PARANAUTAS NA NOITE DO DIA 19 (SEGUNDA FEIRA)

A LUTA NÃO PARA!

DIRETORIA.”

Do sítio da Fúria Independente.



sábado, 10 de dezembro de 2011

Olhada nas eleições de Curitiba

Disputa pela prefeitura de Curitiba
Nova pesquisa realizada pela Priority Solution:
Gustavo Fruet ...........39%
Luciano Ducci............25%
Rafael Greca .............13%
Tadeu Veneri..............04%
Por enquanto com este cenário, está dando um segundo turno na capital do Estado. A eleição de 2012 promete ser a mais disputada dos últimos anos.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Privatização: Um fantasma ronda o estado.


É isso mesmo leitores deste blog. Um velho e conhecido fantasma está de volta no Estado do Paraná. Após 8 anos do Governo exemplar de Roberto Requião, agora, as privatizações voltam a assombrar nossa assembleia legislativa. O último surto privatista aconteceu ainda no governo Lerner lá em 2001. Foi a tentativa da venda da Copel. Isso sem contar a liquidação do Banestado e as rodovias paranaenses.
E nesta segunda feira, 05 de dezembro, após muitos protestos e confusão foi aprovado o projeto de lei que autoria o governo do estado (Beto Richa) a contratar Organizações Sociais OSs. A aprovação do projeto teve 39 votos a favor e 8 contra. A medida implicará na privatização dos hospitais, ambulatórios e laboratórios que hoje são administrados pelo estado. Porque os governantes tucanos são assim? Em todos os estados e cidades que governam, eles privatizam. Quem o estado mínimo, ou melhor, não querem nenhum Estado, nenhuma organização mínima, não querem responsabilidade. Só desejam servir interesses exclusos cobertos. Por quê? Essa tem sido a tônica dos governantes tucanos.

Foto: Gazeta do Povo.

Caso Fernando Ribas Carli Filho. Para refletir:

Por estar sendo defendido pelo Dr René Dotti, o ex-deputado Fernando Ribas Carli filho circula livre pelo país. Agora o poeta aqui pergunta. E se a circunstâncias do acidente fossem outras. Se ao invés do deputado, os garotos estivessem dirigindo em alta velocidade, embriagados e matassem o deputado? Onde estariam os jovens Gilmar De Souza Yared e Carlos Murilo de Almeida?

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Senado aprova em primeiro turno PEC que exige diploma a jornalista



 Uma questão de justiça para com toda uma classe de profissionais da informação. A luta ainda continua.

A exigência do diploma de curso de nível superior em jornalismo para exercício da função de jornalista foi aprovada pelo Senado em sessão nesta quarta-feira (30). A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 33/2009 foi aprovada em primeiro turno com 65 votos sim e sete votos não. Ainda será preciso aprovar o projeto em segundo turno. A matéria segue na ordem do dia do Plenário até que um novo acordo entre lideranças partidárias permita sua votação.
A PEC 33/2009, de iniciativa do senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), inclui no texto constitucional o artigo 220-A para estabelecer que o exercício da profissão de jornalista seja “privativo do portador de diploma de curso superior de comunicação social, com habilitação em jornalismo, expedido por curso reconhecido pelo Ministério da Educação”. A proposta prevê, no entanto, a possibilidade de atuação da figura do colaborador, sem vínculo empregatício com as empresas, para os não graduados, e também daqueles que conseguiram o registro profissional sem possuir diploma, antes da edição da lei.
A medida tenta neutralizar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de junho de 2009, que revogou a exigência do diploma para jornalistas. Os ministros consideraram que o decreto-lei 972 de 1969, que exige o documento, é incompatível com a Constituição, que garante a liberdade de expressão e de comunicação. A exigência do diploma, de acordo com esse ponto de vista, seria um resquício da ditadura militar, criada somente para afastar dos meios de comunicação intelectuais, políticos e artistas que se opunham ao regime.
Relator da matéria no Senado, o senador Inácio Arruda (PCdoB-CE) argumentou que o projeto resgata a dignidade profissional dos jornalistas, ao fixar na própria Constituição que a atividade será privativa de portadores de diploma de curso superior. Além disso, por se tratar de uma profissão que desempenha função social, o jornalismo precisa de formação teórica, cultural e técnica adequada, além de amplo conhecimento da realidade.  
Liberdade de expressão
- A exigência do diploma de jornalismo não criará nenhum embaraço para a liberdade de expressão ou do pensamento. Sinceramente, o que cria esse embaraço é o monopólio exercido na mídia brasileira. É outra coisa que o Congresso tem obrigação de examinar. Tem matéria sobre monopólio de uso da mídia Eu quero ver a opinião de senadores sobre o monopólio da comunicação. Não tem nada a ver com a profissão de jornalista – argumentou Inácio Arruda, ao rebater as críticas de senadores contrários ao projeto de que a exigência do diploma feria a liberdade de expressão.
Um desses críticos foi o senador Fernando Collor (PTB-AL). Segundo ele, a PEC impede a “total liberdade da expressão” da sociedade. O senador também criticou os cursos de jornalismo, que estariam formando “analfabetos funcionais” profissionais que não conhecem a Língua Portuguesa nem cumprem as regras básicas do jornalismo, como apurar bem uma notícia.
- Eles não aprendem na universidade aquilo que, nós, outros jornalistas, que não tivemos de passar por esses bancos universitários para exerceremos livremente a nossa profissão, aprendemos no dia a dia e na labuta das redações – afirmou o senador. 
Inconstitucional
Outro argumento contrário foi de que o projeto seria inconstitucional, uma vez que o Supremo Tribunal Federal já se posicionou pela não necessidade do diploma para a profissão. Para o líder do DEM, senador Demóstenes Torres (GO), a expectativa dos detentores de diploma de jornalismo de, por meio de Emenda Constitucional, mudar a decisão do Supremo será frustrada.
- O Supremo Tribunal Federal, há mais de uma década, vem dizendo que emendas à Constituição também podem ser declaradas inconstitucionais. E o Supremo, obviamente, vai considerar inconstitucional esta matéria. Porque o que o tribunal decidiu, em relação a profissões, é que tem que ser preservado o direito fundamental de exercer a profissão, de exercê-la livremente, de ter direito à manifestação. Foi isso que decidiu o Supremo e é isso que vai decidir o Supremo de novo – enfatizou.
A aprovação da PEC 33/2009 vem sendo reivindicada por entidades representativas dos jornalistas, que chegaram a entregar aos parlamentares abaixo-assinado favorável à proposta. Na Câmara, também tramita matéria (PEC 386/2009) de mesmo teor, apresentada pelo deputado Paulo Pimenta (PT-RS). Em campanha pela aprovação do projeto, a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) classificou a decisão do STF como “obscurantista”.

Paola Lima / Agência Senado


Orgulho Curitibano

domingo, 27 de novembro de 2011

Nenhuma vitória irá superar a humilhação que estão nos fazendo passar. 1° divisão já.

É amigos tricolores. Hoje na Fúria independente tinha uma faixa com esses dizeres. Ela já foi usada no início do campeonato. Ainda logo após o rebaixamento no fraco campeonato do estado. E hoje ela voltou a ser a protagonista na Vila, sintetizando todo o sentimento do povo azul vermelho e branco. Que meu amigo Mark chama de o exército da gralha.
Hoje, o tricolor venceu o Bragantino por 1 tento a zero e permaneceu na segundona. Um empate já bastava. O melhor é que a torcida paranista conscientemente não comemorou a vitória e a permanência nesta divisão. Nós queremos e merecemos mais. Uma pena que nossos diretores não pensam assim. Ficam na mediocridade das suas vidinhas, ou também pode ser incompetência mesmo.
Nossa diretoria fala tanto em planejamento. Mas eles não percebem que o tal planejamento tem que vir acompanhado de vitórias. Caso contrário não vale de nada. Um time sempre precisa vencer, ainda mais o Paraná Clube, que sempre foi acostumado a erguer taças.
Na entrevista após o jogo, o diretor de Futebol Paulo Cesar Silva afirmou: “Sacrificamos o futebol para pagar contas”. Isso que não pode continuar acontecendo. Sempre é o futebol que têm que salvar o clube. O Futebol é a prioridade. Não se pode mais tratar o futebol como um simples departamento. Ele têm que ser a razão de viver do Paraná Clube. Porque ninguém torce para saúnas, piscinas, canchas, quadras e terrenos.
A torcida paranista espera um 2012 muito melhor. Até porque 2011 é para se enterrar.
Espero toda galera tricolor na Avalanche dia 17\12\2011. 

domingo, 20 de novembro de 2011

Curitiba merece ter uma pluralidade...

De candidatos nas eleições de 2012. Até porque só foram ventilados velhos nomes da política curitibana. Entre os candidatos aparecem: Gustavo Fruet, Rafael Greca, Ratinho Júnior, Luciano Ducci, Rasca Rodrigues e Rubens Bueno. Até mesmo o velho já conhecido senador Roberto Requião já foi citado.

A maioria dos candidatos apresenta uma forte identificação com o modelo administrativo que vigora em Curitiba há 40 anos. Essa filosofia lerniana foi boa para a cidade, principalmente nos anos 80 até meados dos 90. Mas como todas as teorias e idéias já estão superadas. É preciso de uma reciclagem no modelo político administrativo da capital paranaense.

Uma nova alternativa política será a candidatura do Deputado Estadual Tadeu Veneri. Ele vem se destacando na Assembleia. E já não é de hoje. Acredito que Curitiba precisa de uma candidatura que tenha uma visão para as pessoas da cidade, um tratamento mais humano e menos burocrático. Até porque o Atual prefeito já se perdeu no Palácio 29 de Março.

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Lula agradece pelo apoio recebido





"Eu estou preparado para enfrentar mais uma batalha, e acho que nós vamos conseguir tirar de letra", disse o ex-presidente, ao lado da esposa, Marisa. "Com a solidariedade de vocês, vai ser muito mais tranquilo, muito mais fácil", acrescentou.

Em toda sua história, Lula sempre foi um vencedor. E com certeza vencerá mais essa. Deus vai ajudá-lo.

#Forçalula

domingo, 30 de outubro de 2011

Lula: Pura energia a serviço da democracia brasileira.


Com toda certeza, um dos grandes brasileiros do século XX. Ele também faz parte da trinca dos três melhores presidentes do Brasil, ao lado de Vargas e JK.
Um homem que dedicou e dedica toda sua vida para melhorar a vida dos brasileiros. Porque inteligência não é acúmulo de informação, é competência para agir.
Que Deus o ajude nesta fase. E assim o fará. Milhões de Brasileiros estão rezando por ele.
#forçalula

Para mais uma vez decepcionar...

Já o machucado, o maltratado e humilhado torcedor paranista. Assim foi o jogo contra o São Caetano, num empate em 2x2 na Vila Capanema. Por duas vezes, o tricolor esteve à frente no marcador. Mas num contra ataque, quando a bola estava no ataque tricolor, o Time azul acabou empatando a partida.
E ainda no final do segundo tempo, nosso atacante Hernane perdeu dois gols de cabeça na pequena área. Com certeza o Gian Carlo faria aqueles gols. Mas ele estava suspenso. Coisas do futebol.
O que o Poeta gostou no jogo foi à atuação do atacante Marinho (Nome de craque que já vestiu a camisa do boca negra). Ele veio do Internacional B, também lá ele fez dupla de ataque com o Léo. Este que foi mandado embora injustamente. Os dois têm entrosamento, seria uma boa opção de ataque para 2012. E não muito cara. Sabendo que o tricolor possui um ótimo relacionamento com o Colorado gaúcho.
Mas vamos ao título da postagem. Neste ano, já foram várias vezes que o tricolor decepcionou na Vila Capanema. Nesta série B, o time da Vila perdeu 22 pontos em casa. Somente com a metade destes pontos, estaríamos no G4 com 55 pontos.
Lembro de dois jogos na vila em que tropeçamos. No jogo diante da Ponte Preta, a Vila estava cheia, com cerca de 12 a 14 mil paranistas. E o que aconteceu. Perdemos por 1x0. Jogamos bem, o time até foi aplaudido no final. Mas nesta série B, jogar bem não faz diferença ao acesso. É preciso vencer.
E o jogo contra o Arapongas no campeonato paranaense.  Várias circunstâncias parecidas com o jogo diante do São Caetano. O Paraná precisando vencer desesperadamente. Uma chuva forte na hora do jogo. Uma atacante que veio do Inter marcou o segundo gol (Léo). E o tricolor vencendo por 2x1 quando levamos o segundo gol de cabeça. Com falha do Thiago Rodrigues. Tudo na mesma trave.
Uma justiça. No segundo gol do São Caetano, todo time do Paraná falhou. Ninguém fez uma falta, parou a jogada e por fim a zaga escorregou.
Ainda durante a semana, o poeta já alertava seus amigos na paranautas.com para o fato do tricolor decepcionar na vila. Não fui bem compreendido. Porém, aconteceu. Coisas do futebol. Tem que se observar o óbvio ululante, como um dia disse Nelson Rodrigues.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Privatização do lazer em Curitiba...


Começou com o Jardim Botânico da Capital paranaense, o parque, um dos mais belos do país, foi repassado à administração privada. A empresa O Boticário ficou responsável pela manutenção do parque e de toda a área envolta. Até aí tudo bem. Parcerias entre a iniciativa privada e o poder público são sempre bem vindas.
Mas passado dois a nos da parceria, a empresa mantenedora já começa a mostrar sua face. Desde o último sábado 22 de outubro, o acesso ao parque (construído com o dinheiro dos Curitibanos) ficou restringida a apenas uma entrada principal. Tal medida causou muito transtorno e confusão no primeiro domingo em que foi adotada. Pois, todos que vão até a tração turística são submetidos a entrar no parque somente por um acesso, seja a pé ou de carro. Porque tal medida foi implementada? Não venha  dizer que é por questão de segurança.
Acredito que somente um acesso ao parque seja a porta de entrada para a cobrança de ingressos. Não há sentido em pagar para entrar num espaço puramente público, num território puramente curitibano. Porque privatizam assim o lazer. Será um projeto piloto. O Parque passou 18 anos com várias entradas e agora só tem uma.
O que se passa na cabeça do Prefeito Curitibano Luciano Ducci? Deixo claro que sei que foi o Governador Beto Richa quem assinou o contrato com a empresa. Mas o Atual prefeito era o Vice dele. Essa questão é mais uma prova que nosso mandatário municipal é perdido quanto à administração urbana. Sem falar na ciclofaixa que já foi alvo de protestos dos ciclistas. Pintaram as faixas no chão. Porém, não consultaram os interessados. Os ciclistas. Isso já é assunto para outro post. 

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Pedalar é saúde : Curitiba terá o 1º Circuito Ciclofaixa neste domingo


Será neste domingo, 23, o passeio inaugural do 1º Circuito Ciclofaixa de Curitiba. Criado para oferecer, em determinados dias e horários, será um espaço exclusivo para ciclistas em ruas da região central. “Fazemos diversas ações para os ciclistas, numa cidade que já tem 120 km de ciclovias. Um exemplo é a inclusão de ciclofaixas ou ciclovias em todas as nossas revitalizações e novas obras viárias”, disse o prefeito Luciano Ducci.
O circuito do dia 23 terá um trajeto de 4 quilômetros, que será percorrido das 8h às 16h, com saída da Rua XV, na esquina com Mariano Torres. O circuito passará pelas ruas XV de Novembro; Marechal Deodoro; Emiliano Perneta; Visconde de Nácar; André de Barros e Mariano Torres, destacando cenários históricos e culturais de Curitiba. O projeto da ciclofaixa também prevê a implantação de novos circuitos de passeio ciclístico pela cidade. A princípio, como pilotos, os circuitos serão uma vez por mês, sempre aos domingos.
Além da Ciclofaixa, a Prefeitura de Curitiba disponibiliza ciclovias em parque e programas voltados para estimular o uso da bicicleta como transporte e atividade física. Um dos principais programas nesta área é o Pedala Curitiba, coordenado pela Secretaria do Esporte, Lazer e Juventude, que oferece passeios ciclísticos toda terça-feira à noite, com percursos diferentes, que variam de 12 a 20 km. Apenas em 2011, o programa teve mais de 3.600 participações. A concentração dos ciclistas acontece na Praça Garibaldi, entre as 19h45 as 20h15.
 Fábio Campana

domingo, 16 de outubro de 2011

Sempre a esperei...

Por enquanto.
Pela dor que não passa.
Pelo tempo que demora.
Pelo sorriso que não cala.
Pelo suspiro que afaga.
Pelo carinho que espero.
Pelo sentimento que sinto.
Pelo desejo infinito.
Pelo minuto se esvaindo.
Pelo amor não correspondido.
Mas um dia passa.
Renascerei  e acordarei
E  será tarde.
Somente para ela.

Gil Pallart